como_saber_se_o_animal_tem_raiva

Como saber se o animal tem raiva? O que é a raiva, quais são os seus sintomas, como podemos realizar o diagnóstico e quais são os cuidados que precisamos ter caso ela se confirme ou então para evitá-la?

Essas são as perguntas que vamos responder no decorrer do conteúdo de hoje, e se você possui algum animal de estimação em casa, é interessante que nos acompanhe e fique por dentro de tudo sobre o assunto. Leia conosco e descubra como saber se o animal tem raiva!

O que é a Raiva?

A raiva é uma doença contagiosa, causada por um vírus presente na saliva de animais infectados. Uma das principais espécies portadoras deste vírus são os morcegos, mas também mamíferos como gambás, cães e todos os roedores em geral.

Essa doença é transmitida por contato com a saliva de animais doentes, ou seja, por meio de picadas, feridas, arranhões ou contato com mucosas, mesmo que estejam intactas.

Como saber se o animal tem raiva: sintomas

A raiva é caracterizada por duas formas possíveis que têm em comum uma primeira fase com sintomas pouco genéricos e específicos que envolvem o sistema respiratório, o trato gastrointestinal e o sistema nervoso central.

A fase de incubação para um cão, por exemplo, pode durar de 2 a 8 semanas, enquanto um gato desenvolve a doença por um período de 2 a 6 semanas.

Como saber se o animal tem raiva, no caso dos cães:

  • Furioso: a raiva canina faz o animal mostrar agressividade extrema e contínua, saliva abundante sai da boca e o animal tenta morder tudo aquilo que se aproxima. O cão também tem uma forte desorientação com óbvia dificuldade em latir. Essa fase geralmente dura de 3 a 4 dias;
  • Paralítico: dentro de um curto espaço de tempo o animal não é mais capaz de mover a mandíbula para coordenar os movimentos, perde o apetite, tem dificuldade em comer todos os tipos de alimentos e água e morre de asfixia.

Como saber se o animal tem raiva, no caso dos gatos:

como_saber_se_o_animal_tem_raiva
  1. Furioso: aumento da excitabilidade e agressividade, que pode durar até 14 dias;
  2. Paralítico: causa paralisia da faringe, mandíbula, pálpebra e diafragma;
  3. Paralisia: sofre de paralisia geral, que pode gerar um coma e resultar na morte.

Diagnóstico da raiva

Fazer um diagnóstico clínico da raiva não é fácil. Nos estágios iniciais, os sintomas podem ser confundidos com os de outras doenças mais comuns. Um diagnóstico definitivo só pode ser feito com exames laboratoriais.

Um animal com suspeita de ter contraído o vírus da raiva não é submetido a nenhum teste clínico, mas é colocado em isolamento sob estreita observação para verificar a evolução dos sintomas.

Para a identificação de um caso de raiva, atenção particular deve ser dada aos distúrbios comportamentais, ou seja, aos fenômenos de agressão por parte de animais normalmente domesticados.

Embora seja menos complicado para um ser humano determinar os sintomas, um excelente espírito de observação é necessário quando se trata de um animal, já que os sintomas inicias podem ser confundidos com mera alteração de humor do bichano.

Tratamento da raiva

A maneira mais eficaz de evitar a raiva é a vacinação. Já para o homem, dois tipos de vacinação podem ser realizados:

  1. Um pós-contágio;
  2. Um pré-contágio.

A vacina pós-contágio é dada a indivíduos quando se suspeita que tenham sido mordidos por animais contagiosos ou quando eles têm manifestado claros sintomas da doença.

No caso de pós-exposição à raiva é importante lavar e enxaguar a ferida ou ponto de contato com água e sabão, detergente ou água pura.

Depois de desinfetar completamente a ferida, uma dose de medicamento indicado por um hospital mais próximo é administrada.

No total, 5 doses de medicamento antirrábico são administradas em um mês. Se o sujeito já estiver vacinado, serão necessários apenas mais dois reforços.

A pré-infecção vacinal em humanos é realizada somente quando existe um risco real de contrair raiva, ou seja, se, por exemplo, você mora em uma área de alto risco ou para quem exerce atividades profissionais de “risco especificado” – veterinários estão dentro desse grupo.

Consiste na administração de uma vacina inativada para por via intramuscular com um reforço adicional após três semanas e vacinações subsequentes todos os anos.

A prevenção para animais de estimação também consiste na vacinação antirrábica. Desta forma, o cão ou gato não é receptivo mesmo que entre em contato com o vírus da raiva. Em relação à prevenção de doenças em animais é importante:

  • A vacinação de animais de estimação, o combate à raiva e aplicação de medidas de forma a realizar um anel protetor em torno do homem constituído por animais de estimação não receptivos e, portanto, incapazes de transmitir a infecção.

Portanto, proteja você e sua família de pegar raiva dos animais que mais ama, vacinando os mesmos desde quando são meros filhotes. Até a próxima!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui